A primeira matéria do meu amor...

Neste dia tão especial para nós, meu querido, em que completamos 2 anos e 3 meses juntos, tenho o orgulho de postar a sua primeira matéria produzida para o site da Agenc (www.agenc.uerj.br). Amo-te Ju!

Uso de software livre pode ser solução para micro e pequenas empresas

Pesquisador afirma que programas tipo o Linux são o diferencial para o sucesso.

Aldevan Junior

O Brasil possui cerca de 4.900.000 empresas classificadas como micro ou pequenas, que representam mais de 90% da atividade empresarial no país e geram 57% dos empregos. Entretanto, essas sofrem com a implementação de soluções integradas de gestão por modelo próprio, que tem um custo alto. Pensando nisso, o graduado em informática pelo IME-Uerj, Leonardo Mendes de Lima Barros, escreveu monografia sobre proposta de criação de uma empresa de soluções integradas de gestão para micro e pequenas empresas. De acordo com o texto da monografia, o estudante aponta a possibilidade de um baixo custo final para os tipos de empresa em questão, caso elas passem a utilizar softwares livres.

Gerir uma empresa através de sistemas integrados não é algo supérfluo, segundo Leonardo Barros afirma no trabalho. Pelo contrario, segundo ele, tal fator tem sido um diferencial no atual cenário econômico mundial. Este modelo de gestão com o uso da informática dá ao empresário maior controle do seu investimento, desde a emissão de memorandos ou notas fiscais até mesmo à contabilidade da empresa. “Mas com a dificuldade presente na implementação desses sistemas, principalmente nas suas instalações e manutenções é muito difícil que um micro ou pequeno empresário retire parte do seu capital para investir neste setor”, escreve Leonardo.

É este o ponto principal que o ex-aluno do IME-Uerj aborda em seu estudo. Tendo como base a utilização de softwares livres – o Sistema Operacional Linux é a sua referência –, Leonardo traça um projeto que visa a permitir que micro e pequenas empresas invistam em sistemas integrados que, além de terem preços mais em conta, permitem aos empresários encontrar o diferencial para se destacarem em um mercado cada vez mais competitivo.

Na projeto, o informático simula uma empresa para atuar como prestadora de serviços, numa estrutura que envolveria seis funcionários, dois sócios, um escritório e um total de custos com equipamentos que chegaria, contando com o capital de giro, a R$ 48.000,00. Leonardo teve o cuidado também de planejar até cada etapa da construção da empresa, desde a determinação de cada função até onde seriam divulgadas as oportunidades de emprego para o investimento.

Segundo a monografia, tudo isso seria planejado com o intuito de atingir principalmente alguns ramos comerciais, como,por exemplo, farmácias e padarias, muito parecidas em seus setores no mercado. Os softwares livres criados pela empresa elaborada no projeto do graduado seriam para informatizar os sistemas de gestão dessas micro e pequenas empresas. “O empreendimento teria a exclusividade na manutenção e implementação desses sistemas que, sendo de natureza livre, estaria dentro do orçamento dos empresários. E estes, inseridos num modelo próprio de gestão informatizada – mais adequado ao seu tipo de investimento – teriam nos sistemas integrados verdadeiros diferenciais para se destacarem entre as micro e pequenas empresas, que a competitividade faz pensar que, aparentemente, são parelhas”, disse.

O pesquisador aponta que fazer parte da realidade globalizada da economia mundial é um direito dos micro e pequenos empresários brasileiros. Além disso, a globalização depende da rápida e competente transmissão de informações. Leonardo acredita que as plataformas livres serão os alicerces para as empresas que balizam a economia nacional poderem fazer parte dessa globalização. “Daqui a pouco até mesmo o uso da simples caneta será substituído por algo dotado de inteligência artificial”, afirma.

1 comentários:

Michael Sá disse...

A primeira matéria, agente realmente não esquece. Lembro até hoje da minha... Eu tinha que escrever sobre a queixa de moradores sobre as condições subumanas de uma rua em um bairro de São Gonçalo. Ufa, foi terrível. rs. A reportagem do Aldevan está muito bem escrita e apurada. Parabéns!