Nota da Reitoria da Uerj = Jogo dos Sete Erros

Reitor Ricardo Vieralves e sua vice Christina Maioli

No dia 30 de julho (Ah! Se o Marcelo Kischinhevisk visse esse meu início de texto!), a reitoria da Universidade do Estado do Rio de Janeiro divulgou para a imprensa a seguinte nota:


Reitoria suspende atividades de ensino
30/07/2009

Considerando a situação atual da epidemia pelo vírus A (H1N1), o Reitor Ricardo Vieiralves decretou a suspensão das atividades de ensino em todos os campi da UERJ, no período de 30 de julho a 7 de agosto de 2009. A medida segue às ações já adotadas pelo governo do Estado do Rio de Janeiro, que, por decisão conjunta das Secretarias de Saúde e Defesa Civil, Educação, e Ciência e Tecnologia, optou pela suspensão das aulas em todos os estabelecimentos escolares."

Muito pomposa a declaração acima... Mas, que tal lê-la com um pouquinho mais de atenção?

Primeiro: O magnífico reitor, Ricardo Vieiralves, por medida de segurança suspendeu as aulas entre os dias 30 de julho a 7 de agosto. Porém, esqueceram de avisá-lo que a maioria dos estudantes (aproximadamente 80% destes) já encerram o período e que portanto não teriam aula nem entre esses dias e nem nos subsequentes. Ou seja, ele adiou o que na teoria já não existia mais.

Segundo: No meio da discussão acerca da decisão tomada, ficamos cientes de que os professores que porventura quiserem aplicar as provas finais estão liberados para realizá-las nesse período. Então na prática a decisão dele foi anulada por ele.

Terceiro: A nota deixa claro que somente estão suspensos "atividades de ensino", o que significa que para os funcionários e os estagiários dos laboratórios da faculdade nada mudou. Ou seja, acordem cedo, saiam de suas casas e venham trabalhar mesmo que isso possa lhe gerar uma gripe A em um futuro próximo.

Quarto: Se é para cancelar o já cancelável porque não estender a medida aos trabalhadores e estagiários! Fica parecendo que os alunos não podem contrair a doença, já os outros...

Quinto: Na prática tudo o que o reitoria conseguiu foi gerar um clima esquisito nos recintos (pelo menos pelos corredores da Faculdade de Enfermagem da Uerj) onde um esquema de rodízio foi criado pelos próprios funcionários na tentativa de se salvarem.

Sexto: Por mais boa vontade que o Ricardo Vieralves possa ter tido com o texto pegou mal para seu mandato, já que aparentemente ele divulgou a nota na intenção de reproduzir as emitidas pela UFRJ e UFF (essas sim com motivos reais para a suspensão).

Sétimo: Por último e não menos importante: recomendo que o reitor se intere um pouco mais antes de assinar a próxima nota oficial. Pois, a Uerj é capaz de atrair a atenção da mídia com assuntos mais realistas.

2 comentários:

ThiagOrnelas disse...

UoU...Toma Reitor.kk

Tamyres Matos disse...

Ah se o Marcelo visse o jeito que o nome dele está escrito! uhauhauhauhauhuahuahuahuahuhaa